O idealismo pode não te deixar rico, mas vai revolucionar a sua vida


Alguns dizem que viver é ganhar dinheiro e poder fazer o que quiser, a hora que quiser, mas na minha humilde opinião, essa é a maior cilada e razão de haver tantas pessoas frustradas e infelizes por aí.

Vejam bem, vivemos num mundo supostamente livre, onde cada um pode seguir o caminho que quiser, inclusive correr atrás do carro importado e da casa avaliada em milhões. Não é uma questão de certo ou errado, mas sim do que está funcionando ou não.

Somos todos testemunhas de um momento mundial bastante crítico, com uma sociedade inteira ruindo ao nosso redor. Ninguém se entende mais, ninguém sabe pra onde ir, o medo e a incerteza tomam conta de todos e ameaçam o futuro de empresas e trabalhadores comuns. Afinal, há espaço para tantos milionários no mundo?

Considerando que, apenas no Brasil, já passamos dos 200 milhões e, ao redor do mundo, mais de 7 bilhões de habitantes, fica fácil entender que essa conta jamais vai fechar. Ou seja: fomos iludidos com um sistema falso e que já está ficando ultrapassado.

Paralelamente a isso, temos milhares de exemplos que chegaram lá, conquistaram dinheiro, fama, sucesso, reconhecimento, foram ao topo... Mas então cairam em depressão, se entregaram às drogas, alguns tiraram a própria vida, os sobreviventes seguem infelizes e em negação, ostentando nas redes sociais a felicidade que não existe dentro de casa.

Conseguem entender por que a resposta não está no dinheiro e no que você tem?

Por outro lado, vamos olhar para os casos de sucesso. Idealistas que conquistaram seu dinheiro (muitas vezes nem tanto assim), mas ao invés da obsessão pelo acúmulo e egocentrismo generalizado, decidiram transformar isso no apoio a alguma causa e projetos que tragam sentido pra vida de outras pessoas.

Vou citar como exemplo o lendário Roger Waters, ex Pink Floyd, que no auge de seus 75 anos estava correndo o mundo com a turnê Us+Them. Quem, assim como eu, é fã da banda, sabe que Pink Floyd sempre criticou muito o militarismo e as guerras, sendo a música Us and Them uma das principais. Apesar da idade e riqueza, ele decidiu fazer essa turnê pra levar sua mensagem de esperança adiante, num momento em que o mundo realmente está precisando.

Então perceba que esses seres humanos estão por ai, fazendo a diferença, cheios de propósito e irradiando luz, alegria, motivação e todos aqueles valores que se perderam ao longo dessa história. Podem até não ser ricos, mas são mais felizes.

Mas por que essas pessoas são mais felizes?

A psicologia explica e a resposta é bem clichê: porque encontraram a si mesmos. A felicidade não é paupável, não pode ser traduzida em bens materiais. Ser feliz diz respeito a encontrar o seu lugar no mundo, um objetivo pelo qual valha a pena viver. Não necessariamente a conquista dele, mas em perseguir um sonho, ter uma razão para seguir em frente, pessoas por quem lutar, razões para sorrir.

O grande mal dessa mentira enorme que vivemos é que fomos iludidos com o conceito de que felicidade é tudo aquilo que vai cair na próxima fatura do cartão de crédito. Infelizmente a maioria está sentindo na pele que são apenas dívidas mesmo.

Encontrar um ideal de vida, um propósito que traga sentido para os seus dias e resgatar sentimentos cafonas de amor, solidariedade, respeito, paz e honestidade, dificilmente te deixarão rico financeiramente, mas certamente te deixarão lúcido, consciente da sua importância no mundo e, consequentemente, muito mais feliz.

Atreva-se a revolucionar a sua vida, mandar todo esse lixo embora e abrace os seus sonhos. Encontre um propósito que te motive a acordar pela manhã, a felicidade está te esperando de braços abertos.