Se a opinião é minha, ninguém pode discordar?


Um comportamento crescente que percebo nas pessoas, além da total intolerância com a opinião dos outros, é a dificuldade em não levar discussões para o lado pessoal. A moda atual é sentir-se ofendido e achar que as pessoas não tem direito de contrapor um pensamento (mesmo que tenha sido publicado em uma rede social).
Hoje em dia as pessoas vivem no multi tela, sempre conectados, recebendo uma enxurrada de informações sem fonte, correntes e opiniões fechadas à discussão. E assim, nossas redes sociais ficam cada vez menos sociais e tornam-se pura mídia. Observo no Facebook e me divirto com o que vejo. São como crianças berrando nos ouvidos da mãe: "Me ouve! Me aceita!". Cada vez mais mundo exterior, cada vez menos essência interior.
Eis que na era da comunicação, o ser humano perde a habilidade de se comunicar, dialogar, ouvir ideias contrárias com menos fervor e fanatismo. Afinal, você pode ter opinião formada sobre determinado assunto, mas e se você estiver preso a uma visão unilateral? Será que você está tão fechado em suas próprias convicções, que ignora ser apenas uma opinião em meio a tantas outras? Qual o propósito de tudo isso?
Acredito que convicções foram feitas para serem quebradas. Pode anotar o que digo: onde quer que exista uma verdade absoluta e que não possa ser questionada, por trás há uma série de mentiras escondidas. Pois neste mundo não existe uma verdade única, existem os fatos históricos e pontos de vista de diferentes personalidades (algumas mais ou menos embasadas do que outras).
Por este motivo, por nossa história e cultura ser escrita por outros seres humanos, nenhuma leitura deveria ser recebida como verdade absoluta (nem mesmo esta aqui). Se buscamos evoluir como sociedade, antes de mais nada precisamos da certeza de que muito pouco sabemos e apenas com a busca incansável pelo conhecimento poderemos chegar a um resultado mais eficiente.
Nenhum estudo político, filosófico ou social tem sentido sem abertura, diálogo e argumentação. Digo isso sem defender qualquer lado ou versão dos fatos, mas sim como um insight e convite para uma abordagem menos fervorosa e mais racional.
Seja a mudança que você quer ver no mundo, com mente, alma e coração abertos.